Arquivo

Posts Tagged ‘review’

Ringer – Pilot[01×01]

Terça-feira foi o dia que a eterna Buffy voltou a aparecer nas nossas telinhas. Sarah Michelle Gellar voltou no que todos dizem ser a versão americana da novela mexicana A Usurpadora (eu nunca vi, mas estou seguindo comentários alheios da internet).

Sabe os clichês mais comuns que você já viu? Pode ter certeza que estiveram presentes nesse episódio piloto. É tudo tão surreal, que me deixou com muita vontade de ver mais da série.

Ringer é exagerada. Seu roteiro apresenta várias possibilidades a serem desenvolvidas, e tudo é um pouco corrido (olha eu caindo no clichê de comentar episódios piloto). Gostei de ver Ioan Gruffud na televisão, porém, ainda o acho com mais cara de cinema. Kristoffer Polaha está muito caricato como o amante da protagonista e Nestor Carbonnel sem expressão.

O que dizer de Sarah Michelle Gellar? Ela aparenta estar se divertindo com as nuances na personalidade de Bridget e Siobhan (adoro esse nome), mas o roteiro não ajuda e isso deixa sua interpretação bem canastrona.

Os efeitos da cena da lancha foram tão bizarros, que acho complicado comentar qualquer outra coisa. E a ideia de flashbacks é interessante até o momento que os roteiristas não se atrapalhem com passado, presente e futuro.

Anúncios
Categorias:Ringer, Séries, TV Tags:,

Chuck – Chuck Versus The Leftovers/Chuck Versus The Balcony[04×10/04×11]

Foram dois episódios muito aquém do que a série pode oferecer, e sendo bem honesto, se a NBC não cancelá-la por conta da baixa audiência, talvez eu pare de vê-la, por conta da falta de tempo.

Em Chuck versus The Leftovers, tivemos uma abordagem mais direta da trama central da temporada envolvendo Volkoff e a mãe de Chuck, porém não me agradou muito. Tudo muito absurdo e não num jeito bom.

Teria sido mais interessante se Volkoff estivesse apenas fingindo sua paixão pela Frost e não ter sido verdade e ainda se auto-convidar pra conhecer os filhos dela.

Aliás, Ellie e Devon já foram mais interessantes, sua trama está muito deslocada do centro da série, apesar da tentativa de integrá-los mais com toda a história envolvendo o laptop.

Já em Chuck versus The Balcony, tivemos uma trama no mínimo contraditória.

Se Sarah sabia desde o inicio que a tal troca na França era apenas uma fachada pra ela ser dada como agente dupla e assim destruir Volkoff internamente, porque ela entrou no mérito de cogitar casar com Chuck?

Mais uma vez a Buy More se mostra desnecessária com a trama de Lester e seu noivado arranjado.

Quem me chamou a atenção nesses dois episódios foi Morgan, que há muito tempo deixou de ser o personagem insuportável de outrora.

Categorias:Chuck, Séries, TV Tags:, ,

American Idol – Top 8

Após uma semana com surpresas, dessa vez o que me surpreendeu foram os incríveis duetos entre Scotty e Lauren, e principalmente entre Casey e Haley. As apresentações de Jason Aldean & Kelly Clarkson e Rihanna foram apenas ok. No bottom, nenhuma surpresa, e também não me surpreendeu a eliminação de Paul McDonald.

Top 3

 

Lauren Alaina – The Climb

 

 Uau! A Lauren está indo como não quer nada, e aposto no mínimo um top 5 pra ela. Se a Haley vacilar, ela será a garota que irá mais longe na competição. Apresentação perfeitinha.

James Durbin – Heavy Metal

 

Mesmo não sendo fã do estilo, foi mais uma ótima apresentação dele. E se tudo correr bem, como deve ser, ele já está na final.

Haley Reinhart – Call Me

 

 Cada vez mais gosto dessa garota. Mais uma boa apresentação. Vem escolhendo músicas perfeitas para sua voz.

Bottom 3

 

Stefano Langone – End Of The Road

Continuo não sendo fã dele, mas ganha pontos por não ter me irritado e ter mostrado uma grande vontade de ficar na competição com essa apresentação.

Jacob Lusk – Bridge Over Troubled Water

Que ele sabe cantar ninguém precisa contestar. Mas eu simplesmente não aguento a mesmice de suas apresentações.

Paul McDonald – Old Time Rock & Roll

 

Eu até gosto do Paul, ainda mais após a apresentação da semana passada. Porém essa semana, além de estar extremamente mal vestido, sua escolha foi fraca, e ele ficar se movendo no palco não ajudou.

American Idol – Top 9

E chegamos na semana com a eliminação chocante. Quem acompanha realities musicais, sabe que isso acontece pelo menos uma vez em cada temporada. E nessa de Idol já é a segunda vez, primeiro foi Casey, que acabou sendo salvo e agora foi a vez de Pia. Com isso, Pia Toscano se junta a Michael Johns, Siobhan Magnus e tantos outros injustiçados no programa, que saíram cedo demais.

Top 3

James Durbin – While My Guitar Gently Weeps

James já está na final. Apresentação perfeita, introspectiva na medida certa. E foi inteligente ao escolher justo na semana que deveria ser a mais agitada, uma balada.

Paul McDonald – Folsom Prison Blues

Mais um que surpreendeu. Música perfeita para sua voz. Acho que o Paul está com boas chances de ir longe.

Haley Reinhart – Piece Of My Heart

 

Cada vez mais apaixonado por ela. Música perfeita para o seu timbre, apresentação impecável.

Bottom 3

 

Scotty McCreery – That’s All Right

 

Assim como Lauren, mas em escala maior, acho que se acomodou. Até que foi uma apresentação interessante.

Jacob Lusk – Man In The Mirror

 

Adoro essa música, mas ando sem paciência com o Jacob.

Stefano Langone – When A Man Loves A Woman

 

Sério? Ele consegue escolher músicas que façam com que sua voz anasalada fique ainda mais irritante. Não sei como conseguem gostar.

The Good Wife – Nine Hours/Breaking Up[02×09/02×10]

 

Foram dois episódios intensos, com casos que necessitaram de uma rapidez incrível dos advogados. Graças à uma ótima direção, edição, roteiro e atuações, tivemos dois excelentes episódios.

Adorei ver Leelee Sobieski participando da série, e como ela está diferente. Parece ontem que eu a vi em A Casa de Vidro. Elizabeth Reaser, Dallas Roberts e o advogado rival de Will também voltaram, mas não tiveram participações expressivas, apesar de eu achar que o personagem de Dallas Roberts tem um potencial impressionante.

Chamou a atenção a série abordar religião no primeiro episódio e homossexualidade no segundo, tudo discutido de uma forma muito madura.

Enquanto que em Nine Hours acompanhávamos Grace descobrir a fé através de sua amiga, no episódio seguinte tivemos uma conversa interessante entre a sogra de Alicia e Owen. O que mais me intrigou foi o fato da avó de Grace desconfiar da sexualidade da filha, porque essa estava de mãos dadas com a amiga.

Cary é outro personagem que tem crescido na temporada, após um inicio apagado. E o personagem é meio bipolar, se sua simpatia causou estranheza no caso do condenado ao corredor da morte, sua frieza e tentativa de conseguir o queria a qualquer custo me incomodou no caso do casal de namorados.

Falando sobre o casal de namorados de Breaking Up, tenho que dizer que apesar dos roteiristas terem feito uma colcha de retalhos ligando vários outros tipos de casos que já vimos na série, esse surpreendeu e muito. Desde o desfecho, até a condução do caso, principalmente por Will, que mostrou uma dureza impressionante pra defender seu cliente e fazer com que ele acusasse a namorada, que estava grávida.

Os momentos que eu mais gosto são quando conhecemos os personagens em sua intimidade, vulneráveis, como Alicia em dois momentos se permitiu, conversando com Kalinda e depois com o irmão.

Nessa segunda metade da temporada, a guerra entre Diane e Will deverá pegar fogo, já que as cartas estão na mesa e tudo começará a ser revirado, e Alicia está no centro dessa guerra por conta de seus contatos importantes. E ela ainda terá que lidar com a eleição que está pra acontecer.

American Idol – Top 11 Again – Elton John Week

Uma noite de boas apresentações se formos analisar como um todo. Apesar de eu achar que o tema está batidíssimo. Elton John. Todo reality tem que homenageá-lo? Até entendo, mas cansou.

A noite de resultados bem que tentou ser diferente com as apresentações, duplas, trios e quartetos, mas no fim das contas os artistas convidados não foram tão inspirados – apesar de o Rio e o Brasil estarem em evidência. As eliminações de Naima Adedapo e Thia Megia não foram surpresa pra ninguém.

Top 3

Haley Reinhart – Benny And The Jets

 

Arrebentou. Sensacional. Cada vez mais fã dessa garota.

Casey Abrams – Your Song

 

Mudou o visual pra tentar ganhar votos, mas sua apresentação foi excelente.

Jacob Lusk – Sorry Seems To Be The Hardest Word

 

Emocionante. Um dos melhores da noite, sem dúvidas.

Bottom 3

 

Stefano Langone – Tiny Dancer

 

Após algumas semanas me tirando do sério, até que eu curti essa apresentação.

Thia Megia – Daniel

 

Gostei. Começou bem emocionante, quando ia me entediar, terminou. Menos mal.

Naima Adedapo – I’m Still Standing

 

Mais uma vez foi corajosa. Essa música pra mim pede uma interpretação mais emocional, mas não funcionou.

Grey’s Anatomy – Slow Night, So Long & Adrift And A Peace[07×09 & 07×10]

Grey’s em dose dupla. Nos dois episódios que fecharam o ano de 2010, tivemos várias propostas diferentes. Se em um a gente teve a “novidade” de ver os mais velhos bêbados, no segundo vimos novos arcos começando a se desenvolver enquanto que outros se fecharam.

Acho que já disse isso. Shonda Rhimes tem que ter muito cuidado com o que vai fazer com a personagem de Sandra Oh. Servir bebidas e pescar são atividades que divertem ver Cristina, mas estar perdida no mundo pode cansar após algum tempo. E espero que a caída de ficha ao segurar o peixe, tenha servido para a personagem finalmente voltar para o hospital.

Daniel Sunjata e Scott Foley começaram suas participações prometendo agitar o hospital e as médicas. O primeiro é um enfermeiro que começa a dar em cima de Bailey, o que foi divertido. Enquanto que Foley é o protagonista da batida história de homem que está pra morrer e casa com uma médica, dessa vez Teddy. Apesar de ter gostado da Kim Raver finalmente ter uma trama só sua relevante, a questão de ser uma história batida pode incomodar.

Callie ainda ama Arizona, que voltou, mas fez sexo com Sloan. Que por sua vez ama Lexie, e essa flerta com Avery. Bom, se não bastasse toda essa confusão, aposto que Arizona irá bater no Sloan.

Meredith se destacou nos dois episódios. Junto com Karev à frente da pediatria e contra Stark, o que eu adorei, e confrontando Hunt a respeito de Cristina, o que rendeu bons momentos para a Ellen Pompeo.