Arquivo

Archive for abril \29\UTC 2010

American Idol – Top 7 & Results/Idol Gives Back[09×32 & 09×33]

Para colocar os candidatos no clima do Idol Gives Back, um programa especial com várias participações de bandas e artistas consagrados reunidos em prol da causa humanitária, o tema escolhido para a semana foi canções inspiradoras. Além de uma performance no especial, Alicia Keys foi chamada para ser a mentora do grupo.

Casey James – Don’t Stop by Fleetwood Mac

Nelson (4º): Nada de surpreendente, mas uma boa apresentação. Mais do mesmo, ele vem se repetindo e isso não deve fazer ele chegar mais longe na competição.

Gabriel(4º): Foi uma sólida apresentação e um bom começo de noite. Não apresentou nada de diferente. Impressão minha ou os jurados resolveram criticar o Casey para acabar com qualquer tipo de favoritismo?

Lee DeWyze – The Boxer by Simon & Garfunkel

Nelson(2º): Ótima escolha de música e ótima performance, cada vez mais confiante. Apesar de estilos diferentes, ele e Crystal estão em outro nível em relação a outros participantes, que se perderam ou apenas continuam medianos com apresentações razoáveis.

Gabriel(2º): Foi uma boa apresentação e ele realmente entendeu o tema da semana. A única coisa que ainda me incomoda no Lee é a sua cara de melancolia.

Tim Urban – Better Days by The Goo Goo Dolls

Nelson(5º): Em uma apresentação razoável, vejo ele nesse estilo de música, apesar de ter sido melhor em outras vezes. Mesmo assim, seu nível vocal e performatico é mais baixo do que de outros participantes.

Gabriel(5º): Nas duas últimas semanas havia feito um bom trabalho, mas não curti muito essa música não, ficou bem entediante e o arranjo não ajudou.

Aaron Kelly – I Believe I Can Fly by R. Kelly

Nelson(7º): Sempre brega, ele sempre escolhe músicas populares e nem sempre sinceras em relação a seu gosto e ultimamente vem decaindo bastante.

Gabriel(7º): Não consigo achar esse garoto relevante na competição, e mais uma vez me provou isso. Uma música tão bonita e tão emotiva e ele conseguiu deixá-la chata. Ninguém merece os jurados levantando a moral dele.

Siobhan Magnus – When You Believe by Mariah Carey & Whitney Houston

Nelson(3º): Boa performance, mas é estranho o fato de cada semana ela escolher um estilo diferente de música, o que não define ela como artista. É visível também que ela não é mais a mesma do início do programa, quando era mais original.

Gabriel(3º): Gostei bastante da apresentação dela e voltei a me animar, mesmo com uma música dificílima fez um bom trabalho. Esse é o tipo de música que derruba os candidatos.

Michael Lynche – Hero by Chad Kroeger feat. Josey Scott

Nelson(6º): Talvez se fosse uma versão mais lenta, sem as guitarras no fundo, poderia ter sido melhor. Mas foi apenas razoável. Suas caras e bocas durante a apresentação são estranhas.

Gabriel(6º): Claramente ele não estava confortável cantando essa música, mas até que os vocais não saíram tão ruins quanto eu pensei que sairiam.

Crystal Bowersox – People Get Ready by The Impressions & Curtis Mayfield

Nelson(1º): Segue sempre o mesmo estilo, mas consegue não ficar repetitiva e chata. Uma apresentação emocionante, desde o início e não apenas no fim, quando ela se emociona. Além disso, grande performance vocal.

Gabriel(1º): Sem palavras para essa apresentação dela. Emocionante, e executada de uma maneira excelente.

No lugar do programa de resultados apenas, essa semana o Idol Gives Back tomou grande parte do programa, que pelo menos trocou toda aquela enrolação por apresentações de artistas como Black Eyed Peas, Joss Stone, Mary J. Blige, Elton John, entre outros, e vídeos com as visitas de artistas e dos jurados do programa a locais e famílias que serão beneficiados pelas arrecadações. Em algumas partes durante o programa foram se revelando os candidatos que estavam salvos, restando no final Casey e Tim entre os menos votados. Um momento tão aguardado por muitos finalmente aconteceu, com a eliminação de Tim, que já era esperada por toda a crítica e público. Apesar disso, sua trajetória no programa foi bem longa, graças ao seu carisma e algumas apresentações superiores às razoáveis que apresentou. Agora, mais uma semana e uma etapa decisiva se aproxima.

Anúncios

Damages – The Next One’s Gonna Go In Your Throat[03×13-Season Finale]

Interessante perceber que a série faz uma confusão tão grande na minha cabeça que somente os episódios finais conseguem me deixar satisfeito. Vendo agora tudo se encaixando, essa temporada foi ótima, mas ainda abaixo do perfeito primeiro ano.

Todas as minhas suposições sobre tudo o que vinha acontecendo na história estavam erradas e fico até feliz por isso, já que assim me surpreendi ainda mais com esse episódio.

Eram tantas pontas soltas para arrumar e tudo isso em uma hora, mas em nenhum momento Damages perdeu o fôlego, trazendo Timothy Olyphant para ajudar Ellen a fechar o caso da morte do seu noivo e a prisão do Frobisher, tendo como consciência, seu advogado morto.

Muito difícil falar sobre qual ator/atriz esteve melhor nesse episódio, mas o embate entre mãe e filho Tobin foi ótimo e determinante para o destino dos dois. Se Marylin escolheu o suicídio, Joe foi cada vez se complicando mais utilizando a mesma desculpa sempre e acabou por assassinar Tom.

Tom, aliás, teve um final bem alongado e sofrido, já que não bastava o capanga do Zedeck esfaqueá-lo, acabou sendo afogado na própria privada por Joe. Enquanto Lenny conseguia tudo que queria fugindo do país.

A temporada foi eficiente até com as tramas secundárias, como Patty e o filho, e sendo ele o responsável pelo acidente que ocorreu com ela. (Tudo bem que fica tudo muito estranho, mas como é um programa de ficção a gente aceita).

O episódio serviu para nos mostrar como Patty foi moldada, já que ela querendo ou não matou a própria filha, para poder ir para a cidade grande e construir sua carreira, e o silêncio dela à resposta da Ellen, mostrou que Glenn Close deve chegar no Emmy como uma das favoritas novamente.

Categorias:Damages, Séries, TV Tags:, ,

Glee – The Power Of Madonna[01×15]

Antes de mais nada, Glee está sabendo trabalhar com episódios temáticos de uma maneira muito bem desenvolvida e isso foi visto com mais força nesse episódio. Tudo bem que chamava a atenção ter o show com as músicas da Madonna, mas eu ficava me perguntando como os roteiristas desenvolveriam a partir do quê para inserir tantas músicas nesse contexto, e o resultado foi mais do que satisfatório.

Só de saber que Sue Sylvester tem Madonna como inspiração em sua vida foi sensacional, e a partir daí, somos levados aos problemas típicos entre garotas e garotos, com elas reclamando de que eles não a ouviam e gostariam de mais independência. Will acabou pegando a ideia de Sue e usou como tema no Glee Club. O que rendeu bons momentos.

Dois deles me chamaram a atenção, o primeiro foi Jane Lynch cantando Vogue, com tudo perfeito, todos os aspectos técnicos foram impecáveis e mais uma vez afirmo que a série deverá ter alguma indicação nessas categorias no Emmy. O motivo dela cantar essa música? Simples, ajudada por Kurt e Mercedes, ela queria ter um novo visual já que aquele cabelo nunca foi do jeito que queria e o motivo de implicar com Will sobre isso, era a inveja.

O outro momento foi Like A Virgin, com três casais cantando pouco antes de transar ou não. Já que era a chegada a hora de Finn, Rachel e Emma perder a virgindade. A edição foi bem interessante alternando todos os casais, e tenho notado e inclusive gostado do destaque dado à Santana nesses dois últimos episódios.

Em termos de avanço na trama, somente o fato de Jessie St. James se aproximar ainda mais de Rachel e ir estudar no mesmo colégio que ela para participar do Glee. Eu ainda acho que ele é espião.

Categorias:Glee, Séries, TV Tags:, ,

Modern Family – Benched[01×20]

Mesmo apresentando um episódio que não foi feito para gargalhar, a série com muito bom humor questões presentes em todas as famílias, de todos os tipos.

Começando pela trama de Mitchell e Cameron, após Mitchell sair do emprego, Cam acabou indo correr atrás de dinheiro, mas nenhum dos dois se sentia confortável nessa situação, mas não conseguia dizer ao parceiro o que pensava. Eric Stonestreet deu show nas suas cenas, principalmente com o nervosismo de Cam.

É bem interessante como eles retratam a relação entre Jay e Phil, com o respeito e ao mesmo tempo algo entre eles mal resolvido. E o que serviu para aflorar essa discussão entre os dois foi quem iria treinar o time de basquete dos dois, o que também rendeu boas cenas para Sofia Vergara e Rico Rodriguez.

Gloria e Claire passaram pela situação dos seus filhos começaram a sentir vergonha delas, típico da adolescência e foi bem divertido as soluções que cada uma quis dar para a situação, assim como a conclusão, com elas envergonhando ou causando ciúmes nos pré-adolescentes.

24 Horas – 8 AM – 9 AM[08×17]

Pelo segundo episódio consecutivo 24 Horas me deixa muito triste com seu final, não foi um episódio ruim, e estava curtindo todo o clima mais calmo fazendo a transição para a parte final da temporada e então vem aquele final de deixar qualquer fã com o coração na boca e sem dúvida se eu fosse falar algo estaria com a voz embargada.

O episódio teve ritmo explorando os aspectos que serão abordados nessas 7 horas que nos restam e é bem interessante ver que o poço é sempre mais fundo do que parece, quis dizer ao mostrar que é tudo muito mais complicado e apesar da temporada ter mostrado a máfia russa e depois desviado o foco, no fim os russos realmente tinham correlação com todos os acontecimentos e a única salvação para a Presidente foi pedir ajuda a Charles Logan, nova participação de Gregory Itzin, que sabe de algo contra os russos para assim poder levar vantagem.

Nos bastidores políticos da IRK, foi interessante ver que eles souberam encontrar uma saída rapidamente e logo o ministro sugeriu o nome de Dalia para sucessão o que ela aceitou e eu achei curioso.

Na CTU mais transição, com Brian Hastings sendo destituído e Chloe tomando o controle o que por sinal eu achei ótimo e quero vê-la desempenhar a função como quando era uma subalterna.

Quando a gente pensa que Jack finalmente terá um descanso, com direito até uma cena de sexo na série, o que ele não tinha tido até então, tinha que ter um desfecho infeliz. Sério, dá pena do Jack, ele parece condenado a ser infeliz, e agora com a morte de Renee, ele irá buscar justiça de qualquer forma.

Categorias:24 Horas, Séries, TV Tags:, ,

Lost – Everybody Loves Hugo[06×12]

Mesmo nos episódios em que não tem potencial para te surpreender pode ter certeza que a série conseguirá esse feito. Ou vai dizer que não foi um choque a maneira com que a Ilana morreu? Num episódio centrado em Hurley, temos cada vez mais a certeza de que as duas realidades podem vir a se fundir. E eu só quero saber o papel do Desmond nessa história toda.

Hurley é quem vem tomando o papel de líder entre os candidatos e isso ficou mais evidente com a forma com que ele manipulou o pessoal a não fazer a vontade de Richard e o fato de Jack expor o motivo de toda sua omissão até aqui. Por causa da morte de Juliet, a qual ele se sente culpado.

Na outra realidade, tivemos mais algumas revelações com a aparição de Libby e foi bem legal vê-los tendo finalmente o piquenique que não pôde ser realizado na ilha, melhor do que isso somente o fato de ele e nós nos darmos conta de cada vez mais as realidades estarem se aproximando, o que deixa tudo cada vez mais estranho. Assim como Desmond seguindo Hurley e atropelando Locke, realmente fiquei intrigado.

Quanto ao Lockedomal, ele acabou conseguindo o que queria com o restante dos candidatos se juntando a ele, e ainda, não sei o porquê, colocou Desmond no tal poço que deixa as bússolas malucas.

Categorias:Lost, Séries, TV Tags:, ,

American Idol – Top 9 Again & Results[09×30 & 09×31]

Numa noite para cantar músicas de Elvis Presley e sob a pressão de que dois candidatos seriam eliminados no dia seguinte, muitos não agüentaram e entregaram performances fracas. O mentor da semana, Adam Lambert, bem que tentou alertá-los, em vão.

Crystal Bowersox – Saved

Gabriel(1º): Abriu o show com uma performance excelente, deixando tudo mais complicado para os outros candidatos. Adorei tudo, perfeito.

Nelson(1º): Muito bom mesmo, como sempre. É incrível como ela consegue colocar a música em seu estilo e fazê-la ficar atual, mesmo com ares de relíquia.

Andrew Garcia – Hound Dog

Gabriel(9º): Sinceramente foi bem entediante. Já no segundo verso eu já queria que terminasse. E o que foi ele andando com o microfone para mais perto do público? Deixou tudo mais confuso.

Nelson(8º): Pecou por não ter colocado seu estilo na música, deixando a apresentação um tanto chata.

Tim Urban – I Can’t Help Falling In Love

Gabriel(2º): Será que ele encontrou seu caminho? Após uma boa apresentação na semana passada, repetiu seu bom desempenho e se saiu muito bem.

Nelson(7º): Foi meio sonolenta, porém boa apresentação pra quem vinha cometendo grandes erros.

Lee Dewyze – A Little Less Conversation

Gabriel(7º):Ficou faltando algo na apresentação dele, a preocupação na performance em si, deixou a música um pouco de lado, e soou um pouco gritado para mim.

Nelson(2º): Foi bom, mesmo com a falta de alguns elementos na performance. A confiança dele está cada vez mais alta, e acho difícil ele entregar alguma apresentação ruim daqui pra frente.

Aaron Kelly – Blue Suede Shoes

Gabriel(8º):Apresentação bem irregular. Começou interessante, depois ficou entediante e por um momento pensei que iria melhorar, mas acabou sendo chato. E se não concordava com a letra, porque cantou? Sério. Ou então não soltasse isso no vídeo.

Nelson(9º): Não consigo enxergar a graça que os jurados vêem nele. Ficou forçado e chato, além de escolher uma música que não seria a melhor pra ele. Nada de supreendente, como sempre.

Siobhan Magnus – Suspicious Minds

Gabriel(6º): Até que foi uma boa apresentação, mas ainda sinto falta da Siobhan do inicio dos shows ao vivo que surpreendiam, não tem feito nada de diferente.

Nelson(3º): Concordo com os jurados. A segunda parte, mais lenta, foi melhor que a primeira. Mesmo assim continua interessante ver seu estilo nas músicas escolhidas.

Michael Lynche – In The Ghetto

Gabriel(5º): A apresentação em si boa. Mas num comentário geral, o programa está ficando muito monótono com esse tipo de apresentação.

Nelson(6º): Bem vocalmente, mas chata e entediante por causa do arranjo, arrastado demais.

Katie Stevens – Baby What Do You Want Me To Do

Gabriel(3º):Boa escolha de música, é mais uma que vem crescendo na competição. E mandando um recado para os jurados, o que achei ótimo.

Nelson(4º): Foi bem, mas fez uma apresentação antiquada, o que pode ter sido um erro. Mas mostrou um lado sexy que caiu bem para a música.

Casey James – Lawdy Miss Clawdy

Gabriel(4º): Não foi tão bom quanto semana passada, mas vem chamando minha atenção com algumas apresentações interessantes.

Nelson(5º): Ele, que vinha fazendo apresentações boas e surpreendentes, não fez nada de novo e marcante dessa vez. Podia ter escolhido uma outra música.

Uma pena que esse que já foi um dos meus programas favoritos, até mesmo entre as séries esteja com uma temporada tão fraca e desanimadora para se ver. Após as apresentações do dia anterior, que foram, no mínimo, frustrantes, chegou a hora de saber quem seriam os eliminados. Sem antes termos apresentações desinteressantes como de costume. No final das contas Andrew Garcia caiu fora logo de cara, e era até óbvio já que não repetiu o favoritismo que lhe foi atribuído logo no inicio da competição e na noite anterior teve a pior performance, e a segunda eliminação sobrou para Katie , que ao meu ver vinha amadurecendo na competição. Agora resta a Crystal e Siobhan tentarem levar o título no que deveria ter sido uma temporada das garotas, mas se mostrou um total fracasso.

Categorias:American Idol